Executivo da F-Secure diz que Anonymous se transformou em uma marca como a Al-Qaeda

Para Mikko Hypponen, diretor global de pesquisas da companhia finlandesa, o grupo hacker transformou-se em uma marca, na qual qualquer um pode creditar determinado ataque, assim como acontece com as organizações terroristas.

A crescente onda de ataques promovidos por grupos de hackers a páginas de empresas e governos na web traz à tona discussões sobre a real motivação dessas invasões e os riscos associados a eles. Um dos maiores especialistas em segurança do mundo, Mikko Hypponen, diretor global de pesquisas da F-Secure, fala sobre o que difere grupos como Anonymous e LulzSec e os “crackers”, organizações criminosas que têm como objetivo roubar dados de usuários para obter vantagens financeiras, por meio do acesso a senhas e dados bancários, números de cartão de crédito etc.

“É relativamente simples entender a mente desses criminosos, eles querem dinheiro e nada mais. A indústria do cibercrime movimenta milhões de dólares. Não há qualquer outra lógica ou motivação por trás dos ataques. Já grupos hacktivistas como Anonymous e LulzSec têm outras razões para promover esses ataques, como as de cunho político, por exemplo. Eles não querem dinheiro. Já nos governos, uma parte importante dessas invasões está ligada à questão de espionagem, muitas delas atribuídas à China”, alerta.

Na visão de Mikko Hypponen, este é um problema muito maior, que vai além da questão da segurança. “Essa é uma geração que cresceu sem saber o que foi o período anterior à internet. Eles pensam em formas de protesto de uma forma diferente da que pensamos. Para eles não há diferença entre protestar em frente à sede de uma empresa ou derrubar o site dela. Claro que uma dessas ações é um ato criminoso, mas eles parecem não se importar”, explica.

Outro ponto observado pelo executivo da F-Secure é a transformação desses grupos em marcas associadas ao crime online. O Anonymous se parece com   uma   ameba, ele está sempre alterando sua forma, com diferentes operações sendo executadas por diferentes pessoas no mundo, sem qualquer relação umas com as outras, mas usando uma mesma marca, assim como acontece com a Al-Qaeda. Eles se transformaram em uma marca, nada mais. Qualquer um pode promover um ataque e creditar ao Anonymous e não haverá ninguém para contestar. Como eles mesmo dizem, “todos nós somos anônimos”.

Sobre a F-Secure

A F-Secure desenvolve soluções de segurança em software e serviços com o objetivo de proteger conteúdos que trafegam em computadores e dispositivos móveis de empresas e usuários finais. Comercializadas no modelo SaaS, as soluções da F-Secure são utilizadas por mais de 200 operadoras de telefonia em 40 países, totalizando um mercado potencial de 250 milhões de clientes de banda larga fixa e móvel. Fundada em 1988 e com sede em Helsinque, na Finlândia, a F-Secure conta com mais de 940 profissionais espalhados em 20 países, incluindo o Brasil. A empresa está listada na NASDAQ OMX Helsinki Ltd. Website: www.f-secure.com.

Twitter: @FSecure ǀ Facebook: F-Secure

Os comentários estão desativados.